Bauru
 
diminuir fonteaumentar fonte English version Chinese version
 
   
 
Faculdade de Engenharia de Bauru
  imprimir imprimir corrigir corrigir
Pós-graduação > Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental

Contextualização Institucional e Regional

No Estado de São Paulo é comum sua caracterização de desenvolvimento em eixos, ao invés de áreas ou regiões. Isto decorre da forma natural de desenvolvimento que ocorre no Brasil através das principais estradas de rodagem, como forma de escoamento de materiais e produtos. Com esta visão, observa-se um desenvolvimento diferenciado nos eixo das vias Anhanguera e Washington Luiz, sem contar, ainda, com o destaque da Via Dutra.
Em direção à Bauru podem ser destacadas as rodovias Castelo Branco e Marechal Rondon. Além dessas importantes vias de acesso, o município de Bauru conta com a Rodovia João Ribeiro de Barros, que em pista dupla dá acesso a Jaú e cruza a Hidrovia do rio Tietê, onde se localiza o Porto Intermodal. Além dos importantes acessos por terra e água, Bauru conta atualmente com o Aeroporto Regional, que tem vocação como terminal de carga no interior do Estado.
Pelo porte do município e infraestrutura existente, Bauru torna-se naturalmente um polo de desenvolvimento regional. Esse desenvolvimento traz inúmeros benefícios e também preocupações quanto às questões ambientais, por contar com uma das maiores áreas de proteção ambiental do Estado. Bauru, apesar da vocação de polo regional, apresenta importantes pendências ambientais, como a ausência do tratamento de esgotos e um aterro sanitário com vida útil praticamente esgotada, além do contínuo desafio que são as erosões. Na região de Bauru, observa-se uma vocação agrícola cada vez mais centrada no cultivo da cana, o que também tem trazido preocupações quanto aos riscos ambientais que devem ser mais bem avaliados. Esses problemas e outros não são exclusivos de Bauru, estendendo-se a outros municípios da região, principalmente em direção aos polos industriais, como os localizados na região de Sorocaba, Rio Claro e Guaratinguetá. Por exemplo, na cidade de Caçapava, próxima a Guaratinguetá, esta sendo construído o maior centro aeroespacial com aeroporto próprio para o comércio exterior.
Tais questões não podem ser solucionadas ou remediadas sem uma abordagem técnico-científica, uma vez que muitas variáveis ainda não são devidamente conhecidas. Na implementação de ações corretivas, verificam-se grandes limitações de corpo técnico competente, seja em órgãos públicos como na iniciativa privada e mesmo nas ONGs ligadas ao meio ambiente. Grande demanda tem sido verificada no Curso de Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental. Contudo, devido suas características, esses cursos não atendem plenamente os anseios da comunidade que pretende atingir um desenvolvimento pleno dos conhecimentos científicos e tecnológicos só possíveis em Cursos de Doutorado.
O objetivo dessa Proposta é a criação de um Curso de Doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação Interunidades em Engenharia Civil e Ambiental (PPGCA) da UNESP, onde participam docentes das Faculdades de Engenharia de Bauru e de Guaratinguetá, Instituto de Geociências e Ciências Exatas e o Campo Experimental de Sorocaba.
A Universidade Estadual Paulista (UNESP) é conhecida como uma universidade classe-mundial, que envolve ensino, pesquisa e extensão de excelência, contribuindo para o desenvolvimento local, regional e nacional de forma significativa. A excelência da UNESP está evidenciada pela posição de destaque nos rankings universitários internacionais. O Times Higher Education "BRICS & Emerging Economis Rankings 2014" listou a UNESP entre as 100 melhores, uma das quatro Instituições brasileiras ali presentes. O QS University Ranking "BRICS" também considerou a UNESP uma Instituição classe-mundial, na 25ª colocação. Não obstante esse reconhecimento internacional, a UNESP é também reconhecida nacionalmente pela excelência nas atividades de ensino pesquisa e extensão. Como exemplo, tem-se Ranking Universitário Folha (RUF), que classificou a UNESP como a 6ª melhor universidade brasileira nas edições de 2012 e 2013.
O papel de destaque da UNESP está apoiado em ações efetivas de sua Reitoria, por meio do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), o qual garante alocação de recursos para atividades consideradas essenciais, como desenvolvimento de pesquisas de alto nível e formação de recursos humanos. Neste contexto, as Pró-Reitorias de Pós-Graduação e de Pesquisa possuem Editais específicos para financiamento de estágio de docentes no exterior, vinda de pesquisadores visitantes; edição de artigos científicos em língua inglesa, participação de docentes e discentes em eventos nacionais e no exterior, entre outras. Essas iniciativas refletem em resultados positivos e sempre crescentes, como, por exemplo, na última Avaliação Trienal da CAPES, 54,3% dos programas da UNESP alcançaram Nota 5, 6 ou 7, destacando-a no cenário nacional.
Atenta às transformações contemporâneas da sociedade brasileira e da crescente demanda por profissionais na área de Engenharia, a UNESP vem, sistematicamente, investindo no ensino, pesquisa e extensão dessa área de conhecimento. Além da expansão coordenada do ensino de graduação em Engenharia, a UNESP vem fortalecendo a pesquisa na área, como, por exemplo, a institucionalização, por parte da Pró-Reitoria de Pesquisa, do "Fórum das Engenharias". Em 2013, o Fórum discutiu propostas para fortalecimento da área com intuito de enfrentar os desafios nacionais e internacionais contemporâneos.
No âmbito do fortalecimento das Engenharias da UNESP também merece destaque o fato de todos os cursos dessa área terem mantido ou elevado seu nota na última avaliação CAPES. Como exemplo vale ressaltar o fato que todos os quatro Programas da FEB (Engenharia Civil e Ambiental, Produção, Mecânica e Elétrica) terem obtido a Nota 4, indicativo de maturidade. Destaca-se ainda a implantação, em 2013, do Curso de Doutorado em Engenharia Mecânica e as perspectivas positivas do mesmo ocorrer nos demais Programas em breve.
Deste modo o Programa de Pós-Graduação Interunidades em Engenharia em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP (PPGCA) considera que este é o momento apropriado de apresentar a proposta de Curso de Doutorado, com base em alguns aspectos que serão destacados a seguir:

- Desenvolvimento tecnológico, cientifico, econômico e social
O crescimento econômico nacional tem sido fortemente orientado pelo desenvolvimento das áreas de Engenharia dentro do país. Isto tem sido observado por meio do grande aumento de investimentos feitos pelos governos e agências de fomentos em todas as áreas da Engenharia, em especial na área de infraestrutura, através de programas estratégicos de desenvolvimento tecnológico, com o intuito de fomentar o crescimento de pesquisas nestas áreas. A modernização do setor produtivo, tanto no setor industrial como de produtos e agronegócios, está associada ao domínio de novas tecnologias e à adaptação destas realidades específicas de produção nacional. O grande desafio tem sido a capacitação de recursos humanos, em condições de transformar a aplicação destes recursos em uma efetiva melhoria de qualidade de vida. Nesse sentido, essa capacitação é um desafio, face à forte competição exigida por um sistema globalizado, em que os recursos humanos devem ter formação altamente qualificada para compreender, pesquisar e atender tais demandas. As universidades brasileiras, em especial as públicas, são fundamentais neste processo. Deste modo, o PPGCA tem como objetivo contribuir com a formação de profissionais de alto nível, através de um Curso de Doutorado em Engenharia Civil e Ambiental, visando, em última instância, a melhoria da qualidade de produtos, processos e sistemas produtivos, sempre focado nas questões ambientais. Além desses fatos, o mercado para atuação de doutores são as Universidades do país, os quais estão passando por um período de renovação de seus quadros, que demandará a necessidade de um grande número de profissionais para ocupar esse importante espaço.

- Demanda regional associada ao setor produtivo
As quatro cidades participantes do Programa (Bauru, Rio Claro, Sorocaba e Guaratinguetá) representam importantes regiões do Estado de São Paulo com um grande crescimento industrial e contínua demanda por profissionais altamente qualificados na área tecnológica. Além desse fato, não se deve omitir o enorme potencial de cooperação com as indústrias menores, bem como com o grande número de empresas agroindustriais existentes na região Bauru, como o parque sucro-alcooleiro. Observa-se que nosso Curso de Mestrado tem atendido a demanda considerável de formação de recursos humanos especializados para essas empresas, em quase todas as regiões do nosso Estado.

- Demanda regional associada às instituições de ensino
Do ponto de vista de potencial acadêmico, é necessário citar o grande número de Faculdades e Universidades nas regiões onde o Programa tem atuado. Entre outras podemos citar: a própria UNESP (campi de Bauru, Sorocaba, Rio Claro, Guaratinguetá, São José dos Campos, Araraquara, Botucatu e Marília); a Universidade de São Paulo (campus Bauru e Lorena); a Universidade Federal de São Carlos - campus Sorocaba, a Universidade Paulista (Unip); a Universidade Sagrado Coração; a Escola de Engenharia de Lins; a Universidade de Marília; a Universidade de Taubaté. Esse cenário mostra o potencial efetivo em relação à demanda, para a implantação de um Curso de Doutorado, mais especificamente junto ao PPGCA da UNESP. Apesar da existência de vários programas de pósgraduação na área, já consolidados no Estado de São Paulo, esse novo Curso preencherá uma lacuna importante, atuando numa área crítica que unifica os conhecimentos da geotécnica e do saneamento para solução de problemas ambientais, de modo que seja possível um o desenvolvimento industrial e tecnológico do Estado e do país, tendo um forte amparo nos anseios e demandas de desenvolvimento regional, com maior produtividade e produtos com maior valor agregado.

- Demanda por ampliação de vagas para pós-graduandos na área de Engenharia
Existe uma grande demanda por formação de pós-graduandos em nível nacional, principalmente nas áreas de Engenharia, a qual é ainda maior em nível de doutorado. Com a busca da melhoria de processos e produtos e a preocupação com o meio ambiente, as empresas têm procurado melhorar, ou mesmo implantar áreas de Pesquisa e Desenvolvimento, capacitando seus profissionais ou contratando profissionais com doutorado. Vale destacar o fato do Programa já ter um Curso de Mestrado consolidado, o gera uma forte demanda de seus alunos para o Curso de Doutorado. Atualmente, uma parte dos nossos egressos tem integrado outros cursos de doutorado de importantes Instituições de Ensino Superior no Brasil. Por outro lado, observa-se que alguns de nossos egressos com potencial para realizar o doutorado acabam optando pelo mercado de trabalho pelo fato de não poderem contar com o curso de doutorado em nosso Programa.

- Interação com Graduação e a Iniciação Científica
O programa tem incentivado a integração dos alunos de graduação e de pós-graduação, fazendo com que os mesmos trabalhem em assuntos correlatos e dividam os mesmos espaços nos laboratórios e nas salas de estudo. Tem feito também um trabalho de divulgação junto aos alunos de graduação, em especial dos cursos de engenharia civil e engenharia ambiental das quatro Unidades participantes do Programa para que conheçam os projetos de pesquisa da pós-graduação e a sua importância para a formação de engenheiros pesquisadores. A Iniciação Científica de nossos alunos de graduação junto aos projetos de pesquisa dos docentes, especialmente daqueles vinculados à pós-graduação, tem sido um fator importante para permitir realizar um trabalho de mestrado com maior grau de aprofundamento. Por isso, em muitos casos, um auxílio à pesquisa conta com a participação tanto do mestrando e mais de um aluno da graduação, propiciando maior incentivo e estimulando à pesquisas para o graduando. Por isso, o Programa tem constantemente incentivado seus docentes para trabalharem com os de Iniciação Científica, para que estes se tornem potenciais alunos de Pós-graduação. Essas ações têm como objetivo fundamental a busca da integração graduação-pós-graduação e são inspiradas na chamada Declaração de Bologna, que lançou na Europa bases sólidas para a integração entre graduação e pós-graduação, em um único programa.

- Interação e Cooperação com outras Unidades da Unesp, com outros Programas e com Grupos de Pesquisa
O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental tem atuado com a participação de docentes de quatro importantes Unidades da Unesp. Além disso, também tem interagido com outros programas de pós-graduação stricto sensu da própria UNESP e de outras Universidades. O Programa também tem valorizado a interação e cooperação com vários grupos de pesquisa no Brasil e no exterior. Esta iniciativa tem sido feita no sentido de fortalecê-lo e manter a qualidade das suas pesquisas. Estas cooperações estão descritas no item cooperação e intercâmbio desta proposta.

- Crescimento e Melhoria da Qualidade da Produção Científica
Um dos principais resultados esperados, que dá suporte e justifica a implantação do Curso de Doutorado em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP, é quantidade e qualidade dos egressos e das pesquisas realizadas. Com o Doutorado espera-se um salto qualitativo na produção científica. Isto se justifica, pois o trabalho de mestrado é, algumas vezes, a formação inicial do pesquisador, realizado em um período curto. Já, a pesquisa de doutorado é desenvolvida por alunos mais experientes, em um tempo maior, permitindo assim um maior aprofundamento.

- Aumento no número de Bolsas de Produtividade do CNPq Pq ou Dt no Programa
O número de bolsistas Pq e Dt no Programa tem aumentado a cada ano. Fechamos o último triênio com 5 Bolsistas, um Nível 1A e quatro nível 2. No ano de 2014 mais um docente foi contemplado com bolsa Pq, assim como um dos dois novos docentes que integram a Proposta de Doutorado também foi contemplado com uma bolsas Pq. Deste modo, hoje o Programa conta com quase a metade de seus docentes permanentes (7 de 16) com bolsas de pesquisa. Considera-se no documento de área Muito Bom esse número maior a 30%. Considerando a elevada produção científica do Corpo Docente do Programa, quando comparada a dos Programas similares, espera-se continuarmos a incrementar naturalmente a quantidade de Bolsistas Pq e Dt do CNPq;

- Amadurecimento e Trajetória de Excelência do Mestrado em Engenharia de Civil e Ambiental
O Curso de do PPGCA da UNESP atingiu, na última Avaliação CAPES a Nota 4. Tal curso, implantado em 2009, teve 3 dos 5 Quesitos de Avaliação classificados como "Muito Bom" e 2 Quesitos como "Bom". Destacam-se os elevados indicadores como "Distribuição da Produção Docente (DPD)" e "Produção Qualificada Docente (PQD)", comparável a de cursos Nota 5. Em todos os 5 Quesitos avaliados, o PPGCA mostra clara evolução, o que indica seu o amadurecimento e a trajetória na direção da excelência do Programa.